Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Marketing - O Tabaco

 Fonte: http://1.bp.blogspot.com/-4vO10v9g8XQ/TnuqPDk7OXI/AAAAAAAAB0M/ldru1YFjug8/s1600/marlboro.jpg

Todos nós sabemos que temos “prazo de validade” não sabemos quando nem como mas sabemos que um dia chegará a nossa hora, mas queremos sempre adiar esta inevitabilidade o mais que podermos.

Afirmo desde já que não sou fumador e não busco com isto abrir uma perseguição aos fumadores, pois a uma das Pessoas que mais Amo neste mundo é fumador (2 maços por dia).

Não percebo como é que uma “coisa” que mata, que destrói orgãos consegue vender tanto, como esta indústria de biliões consegue tanto facturar, com todas as intransigências a que é submetida (casos em tribunais, impostos, taxas, etc…), publicidade “o cigarro mata”, mais imagens chocantes e mesmo assim não demove as pessoas de fumar.

Em Portugal a Tabaqueira factura algo como 50 milhões de Euros / Ano e a tendência é de crescer ainda mais o volume de facturação.

O custo para o cliente final de um maço de tabaco ronda os 4.5€, sem impostos este maço custaria algo como 1.6€, ou seja, por cada maço de cigarros comprado quase 2€ reverte em impostos para o Estado.

Aqui temos o Estado entre a espada e a parede, pois se por um lado gasta milhões em tratamentos a pessoas que fumam, por outro lado ganha milhões com os impostos sobre o tabaco das pessoas que fumam…

Por outro lado EU que começo a fazer contas e vejo a minha herança a diminuir, Pai sei que não percebes nada de internet mas eu faço contas por ti:

  • 2 x 4.5€ = 9€ / Dia
  • 30 x 9€ = 350€ / Mês
  • 12 x 350€ = 4.200€ / Ano

Meu querido Papá, temos que ter “uma conversinha” pois de facto isso dá umas valentes férias…

Querendo esquecer este momento dos 4200€ que não me saem da cabeça… Deixa seguir em frente, isto de apanhar o gosto pelo cigarro aparece mais ou menos na “idade da parvalheira” entre os 13 e os 18 anos.

Achamos “Cool” andar com aquela coisa a fumegar nos beiços, achamos que somos “Bad Ass”, queremo-nos emancipar rapidamente, queremos parecer adultos e toca a desafiar os pais com um cigarro na boca.

Ainda me lembro as palavras do meu pai: “se te vir com um cigarro na boca, levas uma chapada que engoles cigarro e tudo” eu lá lhe disse: “qual a tua moral para dizeres tal coisa, quando pareces uma chaminé ambulante?”

Mas uma coisa é certa a indústria tabaqueira conseguiu dar a volta a todos so constrangimentos e fazer de uma coisa que mata algo “cool” quem não se lembra do famoso Cowboy da Marlboro, que mudou todo o conceito de publicidade relativo a este pequeno prego fumegante.

Conseguiram também aliar sexo ao tabaco, em cada filme o que acontece quando dois tipos lá terminam a “coisa de fazer O amor” sacam de um cigarro para os beiços.

Quando temos uma imagem “cool” de ser fumador, mais a imagem de sexo, até a mim neste momento me está a dar vontade de pegar num cigarro e colocar nos beiços e expelir fumo..

Com tanta informação dos malefícios do mesmo, em vez da sua procura descer, o que acontece é o inverso, a industria tabaqueira está em crescendo, fazendo agora uma panóplia de cigarros, light, com saber a mente, chocolate, com alcatrão, sem açúcar ou conservantes, “fumo para todos os gostos.

Lá vêm os eruditos e dizem que se deve banir a publicidade do tabaco, e basta entrar num qualquer café e encontramos uma “vending machine de tabaco” basta ligar a TV numa corrida de formula 1 e lá está a marca de um tabaco qualquer, em corridas de moto de igual forma…

Os jovens são os mais visados na publicidade do tabaco devido aos fenómenos que descrevi anteriormente, as acho que a tendência de fumadores está a diminuir na população masculina, o que me estranha é o crescendo na população feminina, devido a antigamente uma mulher ser vista a fumar era algo contra a cultura de uma localidade, era algo “Pós Homes” agora parece que o paradigma mudou, vejo cada vez mais jovens adolescentes femininas a fumar do que rapazes.

Mas, até que ponto o uso de instrumentos de marketing como, campanhas publicitárias, degustação de produtos, patrocínios de eventos e técnicas de merchandising pode ser considerado antiético? Até que ponto as técnicas de marketing visando à conquista de novos clientes e fidelização dos clientes atuais podem ser consideradas como práticas inapropriadas. E até que ponto o uso das estratégias de marketing visando à conversão dos fumantes ocasionais em fumantes inveterados são abomináveis?

Bom… se um departamento de marketing de uma instituição destas que vende algo tão nocivo à sociedade como o cigarro, só por causa do marketing bem empregado, gostaria de saber o que eles poderiam fazer em vender / publicitar produtos não nocivos e que melhorariam a vida das pessoas…

Mas faz-me confusão pois não é sobre tempo que todos nós nos preocupamos? Não é sobre a falta de tempo que deixamos de fazer isto ou aquilo. Não é sobre o pouco tempo que vivemos nesta terra e gostaríamos que a ciência conseguisse aumentar o mesmo?

Mas o tipo de Cavalo, o James Dean, e o cigarro após o sexo, mudou todas as regras do jogo e o facto de matar, não interessa, pois é “cool” ter um prego para o caixão fumegante, nos lábios.

Claro que me irão dizer mas o álcool também faz o mesmo… Pois… Existem vários tipos de vícios, o álcool fica para outro dia, pois o meu copo de vinho tinto está no fim…

NS

16 comentários

Comentar post