Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Marketing - A Beleza

Gosto muito de ouvir a frase: “dou mais valor ao conteúdo do que à aparência” ou “a beleza interior é mais importante do que a exterior” Eu digo, que grande mentirosos vocês são, infelizmente. Eu com a minha curva de felicidade, com o meu 1 pack, com a minha penugem à Tony Ramos na praia, de facto devo ser mais apetecível de olhar do que o tipo que se encontra ao meu lado depilado, com a musculatura saliente e com a barriga tablete de chocolate. REALLY!

Mas eu vivo bem com isso, se voltarmos esta questão para a classe feminina, então aí o caso ainda é pior, pois por muito perfeitas que as mulheres sejam elas encontram sempre algo em si que mudariam, mas isto sempre foi assim, mas os tempos mudam e a classe masculina parece que também apanhou esta “doença” e viraram autênticas mulheres, pois o que era impensável à uns tempos, agora acontece, eles vão a SPAs, eles vão à manicure e pedicura, eles vão à esteticista, etc…

As empresas que antigamente criavam a sua comunicação nos produtos de beleza enfatizando a classe feminina vêm-se agora obrigadas a fazer um “2 em 1” pois a classe masculina começou a ser um consumidor enorme deste tipo de produto / serviço.

Antigamente nos tempos primórdios as pessoas mais velhas eram procuradas pelos mais novos e eram as pessoas mais respeitadas, pois simbolizavam o SABER, o SER e normalmente eram os líderes da sua comunidade, nos dias de hoje os mais velhos são colocados na prateleira, o Ser velho já não significa saber mas significa “um empecilho”, e são assim abandonados por uma sociedade que os rejeita.

A sociedade quer ser idílica e somente consente e aceita pessoas bonitas, com corpos fantásticos fazendo os “não bonitos” sentirem-se à margem da sociedade, parecendo que não se encaixam, no perfil que é vendido nas revistas, na TV na internet e pelas empresas.

As pessoas não são o que são, são o que os outros querem que elas sejam…

O Mundo virou um lugar de aparências, onde esta, vale mais do que um cérebro.

Sempre achei estranho o facto de em cada esquina existir um salão de beleza, que crescem nos dias de hoje tipo cogumelos, bem como as clínicas de emagrecimento, bem como os ginásios... Tudo que vende beleza e a ideia de um corpo “danone” cresce a olhos vistos…

Mas afinal o que é beleza? Quem define os conceitos de beleza? Quando o que é belo para mim pode ser feio para o vizinho… Nesta relativização de beleza, parece que alguém encontra um denominador comum… o que para mim muito me estranha…

A beleza é uma característica ou um conjunto de características que são agradáveis à vista e que são capazes de cativar o observador (agora percebo o porquê de não olharem para mim e desviarem o olhar). Mas ao olhar para a beleza podemos constatar que esta pode ser trabalhada, pois existem cremes mágicos e salões que podem trabalhar esta “beleza”, formulas mágicas que lhe dão a beleza que procura consoante o seu bolso.

Basicamente a sua beleza é proporcionalmente directa com a sua conta bancária, se esta tiver muitos dígitos a sua beleza será incontornável, se a sua conta for como a minha, procure dizer, tal como eu o faço: "que o que conta é a beleza interior."

A indústria da beleza tornou-se num mercado incrivelmente rentável, pois a sociedade impõe os seus conceitos e padrões de beleza e o que vale é sempre uma apreciação que salta à vista e tudo o resto passa para segundo plano…

Desta forma as pessoas sujeitam-se a tratamentos doidos, comprar tudo que dê miraculosamente um corpo fantástico, e o que mais me surpreende, são aqueles anúncios do “perde 6 quilos em 4 semanas sem esforço e sem mudar de hábitos alimentares”, basta tomar as pílulas x e y…

As mulheres, que ao longo dos anos têm lutando pela sua liberdade de expressão, independência financeira e direito de voto, consideradas por muitos anos como o sexo forte, mostram-se hoje como o sexo frágil e escravas do padrão de beleza imposto pela sociedade, revistas, TV, internet, os homens caminham para o mesmo abismo...

Tanto trabalho para ser independentes e tornaram-se reféns da beleza “imposta” em vez de adoptarem o conceito de beleza natural. Todo o Ser Humano é belo na sua maneira e estilo, logo se te achas feio e queres ser como o A, ou B terás que pagar caro por isso.

Não percebo como uma sociedade em vez de incentivar a exercitar os músculos mais importantes para formar pessoas (cérebro) incentiva pessoas a procurarem exercitar abdominais, glúteos, etc…

Em vez de exercitarmo-nos a pegar num livro, preferimos pegar em ferros…

As pessoas querem adiar a velhice, não querem mostrar as rugas, não querem mostrar aquela celulite, mas nada na vida é efémero, a beleza esvanecesse e dá lugar mais cedo ou mais tarde à verdadeira essência das pessoas. 

Pelo Caminho, pela Viagem algo se perdeu… A nossa essência foi aglutinada pela essência dos demais, e com isto perdemos o nosso Eu interior, o nosso amor próprio para agradar aos demais.

As empresas, fizeram com que dessemos valor ao fútil, ignorando tudo o resto.

LEMBRA: Para ser como os demais; Tu não és feio, Tu és Pobre.

NS

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.