Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Marketing - City Marketing / Vila do Conde / Emprego

Vila do Conde é uma cidade portuguesa do Distrito do Porto, da Área Metropolitana do Porto e da Região Norte, com cerca de 30 000 habitantes no seu perímetro urbano.

Estamos em ano de eleições autárquicas e começam os “joguinhos” nos bastidores de todos os municípios por este Portugal fora. Assistimos às ideias de quem se candidata; às ideias de quem diz que não se candidata mas se for necessário candidatar-se-á (não por ele mas pela Cidade)… aqueles “pára-quedistas” que somente aparecem aqui em Vila do Conde a 1 mês das eleições e dizem que vão fazer 30 por 1 linha, sem conhecer a realidade desta cidade… Aqueles que criticam, apontam o dedo, “maldizem por maldizer” (tipo as pessoas que vão ao futebol e criticam todas as decisões do árbitro, sendo acertadas ou erradas, filho deste ou filho daquele…) que no final nem ás urnas vão. Basicamente é tempo de vermos tudo e mais alguma coisas, (des) promessas e “Obras Feitas”.

Começo a fazer uma rápida pesquisa pela essa coisa chamada “…net” pelos partidos que irão lutar pela câmara de Vila do Conde, mesmo já se sabendo qual o desfecho da mesma, e vejo um denominador Comum, que é “Fazer Obras”! Aliás percebo que este denominador comum é intrínseco a todos os partidos de todas as câmaras…

Olhando eu para a Minha Cidade, Vila do Conde, pergunto-me ora bem 90% dos programas dos partidos para a minha cidade é “Fazer Obra”… Mas quais obras? Estradas? Fazer relvados? Festas? Desviar um prédio 5 metros mais para norte? Etc… Não estou a dizer que “fazer obra”  não seja importante, mas não deve de todo ser o “ex-libris” de toda uma propaganda política… E todo o seu mandato ser baseado em “obras feitas”… Isto de facto causa-em urticária, com tanto e muito mais que poderia-se fazer…

Eu sou um pouquinho mais apologista de além disto das “obras feitas” também se apostar em outros conceitos, como Educação, Saúde, Emprego…

Olho para a minha Cidade e temos grandes vantagens competitivas; ser uma cidade com uma enorme zona costeira; ser uma cidade que se encontra a 30Km do Porto; Porto foi considerado o melhor destino turístico da Europa, temos um Metro e excelentes redes rodoviárias que nos ligam ao Porto e a outras cidades, como Viana do Castelo, Braga, Guimarães, Barcelos, etc… Temos / Tínhamos uma excelente zona industrial, depende do conceito e do sentido de aventura de cada uma “China Town” ou “Zona Industrial de Mindelo”; temos Monumentos, excepto os que estão encerrados, bons restaurantes, e acima de tudo um POVO ÚNICO; pois somos simpáticos, acolhedores e genuínos.

Neste texto somente farei menção ao emprego e criação do mesmo, as restantes temáticas ficam para outros textos…

Como sempre disse, aliás alonguei-me em demasia pelo facebook a dizer que a Tesla nunca viria para Vila do Conde, o que infelizmente veio a comprovar-se a semana passada, como não virá para Vila do Conde nem tão pouco para Portugal, irá sim, abrir uma concessionária para vender as suas viaturas…. Em Lisboa! A Próxima será provavelmente no Porto! O que me remete para um dos pontos que todos os partidos falam e nada fazem e que muito necessitamos, EMPREGO!

Conforme mencionei anteriormente temos uma excelente zona industrial e empresas fantásticas, ver caso da Imperial, (chocolates minhas queridas leitoras); Ach Brito, dos melhores sabonetes do mundo, Probos, Hb Fuller, Nanium (ou não sei qual nome terá agora pois foi novamente vendida), entre outras…

Que quero dizer com isto? Que em vez de nos focar-mos em empresas “utópicas” devemos centrar em atrair PMEs para a nossa cidade, e apoiar as empresas que já cá temos a Qualificarem-se; a Certificarem-se a Internacionalizarem-se… pois nem temos fundos para isso nem nada; FSE; FEDER; Norte 2020, etc… Sempre são 45% de apoios a fundo perdido. Ao atrairmos PMEs conseguimos ser competitivos em relação ás demais cidades, pois estamos bem localizados, temos o Porto de Leixões aqui “á mão”… Desta forma é criar uma relação estreita entre: Empresas / Município / Associação Comercial Vila do Conde e com isto serem as 3 entidades pró-activas nos seus projectos. Se não atrairmos investimento ao menos podemos melhorar o tecido empresarial que temos, acreditem que as empresas querem é melhorar e acima de tudo VENDER mais…

Temos muitas empresas em Vila do Conde com enorme potencial de Exportação, mas que não o fazem, por não conhecer os mercados, por não ter um departamento de internacionalização pois torna os seus custos fixos elevados, ou por medo… Daí a opção pela Associação Comercial de Vila do Conde, mais o Município de forma a ajudar estas empresas a enquadrar a sua internacionalização em fundos de apoio, de forma tornar a sua internacionalização mais efectiva e sem comportar enormes custos. Com conhecimento em 38 países temos ajudado outras cidades e associações e empresas em missões externas em busca de clientes e os resultados têm sido extremamente positivos.

Mas temos um Handicap em Mindelo. Pois temos uma Zona Industrial “carregada de chineses”, temos a maior comunidade chinesa de Portugal, onde ir a esta, tornou-se uma aventura, pois de facto mete medo lá colocar os pés… Por outro lado, porque não investir em dinamizar a mesma, e tornar um ponto turístico com o slogan “Vá a China cá dentro…” Só para dizer que algo tem que ser feito pois corremos o risco de qualquer dia as poucas empresas que ainda lá estão, fugirem de lá e deslocarem-se para outros lados…

Aproveitando ainda a temática de geração de emprego, porque não dinamizar-mos o nosso turismo? O Hotel Santana, O Hotel Vila C e o Hotel Brazão decerto agradeceriam… bem como os demais Bed and Breakfast que têm vindo a abrir nestes últimos anos… Também os Restaurantes decerto vos aplaudiriam… Bem como os desempregados que seriam contratados também…

Já agora também aproveitariam esta deixa do turismo para ir de encontro ao vosso programa das “obras feitas” pois ao dinamizar o turismo, iríamos decerto precisar de mais hotéis, agradece o Mosteiro em se tornar uma pousada, pois espera à décadas que peguem nele e o transformem em algo, pousada, remodelação e servir de centro turístico (o que ele “mosteiro” e nós Vila Condenses não queremos é que entre em colapso), ou o velhinho Palácio Hotel que deveria ser convertido em lar de idosos desde 2012 e até agora…., sim aquele que está na esquina do centro de juventude, ou a casa antiga uns metros mais á frente deste “Palácio Hotel” onde antes era uma creche, está à espera que se faça algo, finanças, hotel, What Ever… parado e abandonado como muitas coisas em Vila do Conde é que não servem a ninguém…

Temos outra vantagem que mais ninguém tem, chamada Caxinas, e pescadores… Sim a maior comunidade piscatória de Portugal. Que na sua maioria ou está emigrada a pescar em outros países ou estão em casa pois os barcos ou excederam a sua cota de pesca, ou entram em época de defeso. Porque não dinamizarem este sector e o agregam ao turismo? Porque não fazem turismo aproveitando a nossa costa, o nosso mar, e os nossos barcos, providenciando aos turistas uma oportunidade única de virarem pescadores por um dia, e irem á pesca num barco que está ali parado / encostado ao cais? Pegam-se nestes turistas, eles têm uma experiência com os NOSSOS pescadores e o que pescarem, fazem umas parcerias com os restaurantes e confeccionam o que eles pescarem, aproveitam e “dão uma volta” pela nossa costa… Os pescadores agradecem pois recebem por virarem “guias turísticos” na sua profissão…

Temos um passeio da praia muito mal aproveitado e em minha opinião mal executado, pois não é nada mais nada menos que alcatrão, muitas vezes confundindo onde termina a estrada e começa o passeio… Poderíamos olhar para os nossos vizinhos e ver o que eles fazem de bem, como o passeio da praia, e não o seu ordenamento de território, pois aí temos uma grande vantagem comparativa. O nosso passeio da praia só atrai pessoas no verão, pois andar nele no inverno, é uma aventura, pois a luz é exígua, e os “bares” das barracas, que somente são colocados e abertos durante 3 meses são de facto muito “feínhos”. Isto a Póvoa de Varzim faz muito bem, pois tem Bares bem conseguidos, bonitos e abertos o ano inteiro, fazendo com que o seu passeio seja muito apreciado e frequentado por visitantes.

Continuando na senda do turismo, temos o monte de Bagunte com uma Citânia, que quase ninguém sabe que ela existe? Pois eu fiquei a saber pois estive a fazer os buracos e as estacas por aquele monte acima… Como O Castro de São Paio, sim aquelas escavações também andei por lá tipo Indiana Jones e por outros colegas que também queriam ser arqueólogos…

Ei mas eu sou lírico, doido, louco… mas os loucos foram os que ousaram… foram os que inovaram… foram e são os que a história se lembra e lembrará…

As festas da cidade foram muito bem dinamizadas e atraem pessoas, “as luzes voltaram-se a ligar” após muito tempo desligadas, mas nem só de festas e de obras, vive o povo…

É necessário “outros” voos, outras ideias, “outras obras feitas”…

Sei que para mim é fácil falar pois não “estou por dentro” do que se passa, sei que o dinheiro é escasso e sei que temos que apertar o cinto e não é possível fazer mais, com pouco, mas sei que para mim os melhores marketeers foram aqueles que com pouco fizeram muito.

Ei mas o que é que eu sei… pois… “só sei que nada sei” …

NS

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.