Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Marketing – O (Des) Atendimento Serviços Públicos

Pois é a minha vida nestes últimos 3 meses levou-me a dar uns “saltos” aventureiros e a fazer com que me deslocasse a alguns Organismos Públicos (só de escrever isto já me começo a coçar).

Tive que me deslocar ao IEFP e chego lá cedo na hora da abertura, 9:30, e tenho 20 pessoas à minha frente (toma lá que é para aprenderes a sair da cama cedo, ou não…) saco o dito papelzito da maquineta, aliás o Segurança faz isso por mim, como se eu fosse um mentecapto que não sabe tirar uma senha B que diz, “Fundo de Desemprego”…

Olho para o meu número, vejo que aquilo vai demorar, saco o telemóvel e vejo que a bateria está nos 100% e digo toca a passar uns níveis no “Ab Pop” ( se puderem mandar umas vidas e uns “helps” agradecia) e lá começo a lançar bolinhas contra cores iguais. Olho para o relógio e são 10:00 e o número não muda, ainda continuam 20 pessoas à minha frente. 10:30 e as vidas do jogo terminam, pois só tenho 5 vidas e se as perder, ou pago, ou espero 30 minutos por cada vida (este efeito das apps supostamente grátis…) e o número não avança. Dirigi-me ao segurança e lá pergunto: “então que se passa” 1 hora e nada? E lá da plim… já só faltam 19.

E “numa Rajada” em 30 minutos chega ao meu número. E digo se soubesse tinha-me queixado mais cedo… Entro lá na salinha. A senhora faz umas perguntas, sobre os meus cursos ao qual respondo e lá a senhora me diz: “não temos em sistema”. Eu respondo: “coloque qualquer coisa” Não é que esteja que o IEFP me arranje emprego. Aliás estou á espera que o IEFP me convoque para uma formação na minha área dada por um formador que não é da minha área e não pesque nada do assunto (coisa difícil de acontecer…) “sim é sarcasmo”.

E lá me mentalizo e sou “mentalizado” pela M. que quer que só me dedique à tese de Doutoramento e que não quer que procure emprego, mas sim que tenho um ano para terminar. Mulheres com os seus ultimatos que normalmente têm sempre razão. E lá fico 2 meses a ir para a Biblioteca fazer a tese, ler mais do mesmo, artigos e mais artigos… E começo a trepar paredes “daí ter escrito o texto das razões para nunca escrever uma tese” e vou fazendo e enviando uns CVs para ver o que dava…

Depois de 3 entrevistas em empresas, ou melhor, depois de alguém pensar que era entrevistador, pois de entrevista não tinha nada… Lá surge uma oportunidade de fazer o que gosto, na minha área com um handicap, longe de casa, mas a muito custo e sempre do meu lado a M. lá diz para eu aceitar, pois via o desespero na minha cara de estar em casa.

E lá aceito e tenho que me dirigir à Segurança Social, para desactivar o Fundo de Desemprego. Chego as 9:00. Tenho 10 pessoas à frente e as senhas novamente começam a “ser despachadas” após as 10:00. Raio de fenómeno estranho. 10:30 sou atendido, peço para me cancelarem o Subsídio ao qual me respondem: “tem que cancelar a sua inscrição no IEFP” eu digo: “mas o que me interessa a mim é cancelar o Subsído, pois se o IEFP me convocar para algo e eu não for, automaticamente me retiram da situação de desempregado, certo?” A senhora sim, mas tem que lá ir, preencha estes formulários e vá lá. É só atravessar essa porta”. Eu para a senhora: “Mas o Vosso sistema não está interligado com o do IEFP? Se eu der baixa do meu Subsidio eles não terão acesso ao mesmo? Resposta da Senhora: “Sim, mas tem na mesma que lá ir”.

Porra não vou levar com 20 pessoas á minha frente. Vou para casa almoçar, saio de casa ás 13:00, chego ao IEFP e à Segurança Social às 13:05 e não vejo vivalma. Parece que tinha acontecido um ataque nuclear e somente as infraestruturas sobreviveram. Sou despachado em 2 minutos.

Aqui começa a “coçadeira”…

1 – Não existem desempregados à hora do almoço?

2 – Ao pequeno almoço não existem pessoas para atender os demais desempregados?

Ora bem 1 + 2 = As horas do pequeno almoço e almoço são sagradas, mesmo sendo em horário laboral para funcionários públicos…

Começo a trabalhar e tenho que me deslocar a uma Câmara de Comércio e Indústria de uma cidade. Chego aos escritórios e vejo 10 secretárias com pessoas na conversa, perdão a trabalharem… Dirigi-me à primeira senhora e pergunto quem é a pessoa responsável dos projetos de Internacionalização / Qualificação / Formação. Ao qual a senhora diz-me para eu lhe falar em português. Passo a pessoa seguinte com a mesma questão e nada. À terceira pessoa começo a perder a paciência… E digo não é por nada, mas este é um dos serviços que prestam, está no vosso site e há 3 meses deram os certificados de qualificação ás empresas, as senhoras continuam a olhar para mim como se não soubessem o que eu estava a falar.

Lá chamam o Doutor… Que me diz deixe o sou nome e contacto e se precisarmos entrarmos em contacto. Eu digo: “se eu precisar desta câmara para me ajudar a internacionalizar, decerto falirei antes de isso acontecer”… Afinal não entendo para que temos um serviço público onde não sabem o que estão a fazer, quero pensar que é por desconhecimento e não por outra coisa qualquer….

O que aprendi:

IEFP – Ir após as 10:30, se não precisarem de almoçar ir as 13:00 e serão imediatamente atendidos.

Segurança Social – Igual ao IEFP

IEFP + Segurança Social – Têm sistemas informáticos interligados que não servem para nada, pois temos que andar com papelada de um lado para o outro.

Segurança Social Direta – Só para verificar Status, pois acho que perdíamos menos tempo se pudesse fazer o que fiz presencialmente através de casa, pois o sistema está montado para isso, mas não funciona…

IEFP Direto – Exatamente o mesmo, temos um sistema informático, mas temos que nos dirigir ao centro presencialmente para tratar das coisas, como fazer um update do perfil e digitalizar os documentos fosse uma coisa do outro mundo…

Camaras de Comércio e afins – “ALGUMAS” Não ajudam as empresas em nada, e de nada sabem…

Cria-se, gasta-se, inova-se em sistemas informáticos para servir melhor o cidadão e fazer com que os serviços não bloqueiam, mas o que é certo é que estes sistemas não funcionam, pois leva-nos sempre que queremos algo a nos dirigirmos a um balcão para tratar das coisas.

Deixo duas palavras que dever-se-ia aprender que tanto se apregoa:

1 -Eficácia

2 - Eficiência

4 comentários

  • Imagem de perfil

    Narciso Santos 15.02.2017

    Bom Dia
    Sónia, eu não quis entrar nas Bibliotecas nem nas Finanças, senão teria aqui uma tese para fazer. Mas para quê informatizar tudo, quando no final não funciona e sempre se recorre ao papel?
    Enfim..
  • Imagem de perfil

    Sónia Pereira 15.02.2017

    Bom dia.
  • Imagem de perfil

    Narciso Santos 15.02.2017

  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.