Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Mishmash Marketing

Basicamente é "uma mixórdia de temáticas" de Marketing!

Marketing - O Multifacetado

Fonte: http://conceito.de/wp-content/uploads/2013/07/multifacetado.jpg 

Sempre disse que o bem mais precioso que uma empresa tem são as Pessoas mas são também estas o bem mais complicado de se gerir. As pessoas não são como as máquinas com a sua linguagem binária, são muito complexas, pois são providas de pensamento, razão, sentimentos, linguagem, etc…

A máquina não falha, quem falham são as pessoas. Se a máquina falha a culpa é de quem a fez, logo a propensão de falhanço está ligado ás pessoas, mas sem pessoas não existem empresas, as empresas são as pessoas que lá trabalham.

Como em todas as empresas, focando em Portugal onde a maioria das empresas são pequenas e médias empresas, uma pessoa, ou as pessoas são obrigadas a fazer e saber um pouco de cada uma das coisas que passam nos diferentes departamentos, os denominados “apaga fogos” e quantos fogos eu apaguei… e por causa disto quantas vezes me queimei…. tirando este á parte adiante…

Aqui estou para falar das pessoas multifacetadas nas empresas, “Eu sou autónomo”, “eu sou auto-suficiente”, “eu consigo-me desenrascar, sou uma pessoa inteligente”, “se estudar umas coisas depois consigo fazer tudo à minha maneira”, “eu não preciso de ninguém” o FAZ-TUDO!…

Numa primeira análise isto deveria ser bom, e qualquer empresa gostaria de ter um profissional destes, o problema é quando temos uma pessoa destas, as outras denominadas de “chicas espertas” ou as “putas velhas senhoras com mais tempo de casa” aproveitam-se destas pessoas para encontrarem nelas os seus escravos, largando tudo para elas e quando algo corre mal, sempre têm aquele bode expiatório para culpar. Pois normalmente ficam na empresa pois sabem como esta funciona, a quem dar a “devida graxa” aquelas pessoas que mais provocam conflitos e nunca têm culpa.

Mas também temos por outro lado o Patrão sabe tudo…Uhhh errado! Mesmo com gestores brilhantes, quem sabe melhor o que se passa na empresa e possivelmente nos mercados são os empregados mais baixos, são eles que andam pela empresa, são eles que comunicam com os clientes e fornecedores, fazer decisões de marketing sem ter esse conhecimento é arriscado, dai ser sempre importante ter um contacto saudável e permanente com todos os níveis da organização.

Ou seja ninguém é capaz de fazer tudo, porque ninguém sabe tudo mas tenta-se, ainda mais nas pequenas empresas pois têm um orçamento limitado e o trabalho de 10 é distribuído por 3 e assim se vai aguentando o “barco” tentando levá-lo a bom porto. O mote é trabalhar em Equipa pois ninguém consegue fazer tudo sozinho, delegar… Mas é tão difícil este termo “delegar” não entendo porquê, mas as gerências têm uma certa dificuldade em delegar, contratam uma pessoa para determinado departamento e depois querem controlar, não sabendo que o controle é impossível de ser feito, se uma pessoa precisa de ser controlada, então é sinal que não se confia, logo que faz essa pessoa na empresa? Ou se confia ou não se trabalha com essa pessoa.

Na cadeia de Valor de Potter, o que comunicamos ao mercado é como uma corrente e a força da corrente equivale à força do seu elo mais fraco. Então nós temos que ter textos de alto nível, vídeos de alto nível, gráficos de alto nível se quisermos transmitir uma imagem de alto nível, uma imagem profissional. Agora se um “alto nível” cai para fraco, toda a corrente “cai por terra”.

A criação de um faz tudo pode trazer um elo fraco e toda a cadeia “cai por terra”, e o valor que queríamos transmitir ao Mercado afinal não é “de alto nível”.

Um faz tudo normalmente é um ser isolado, não cria networkings, pois é consequência do que foi atrás descrito. Se a primeira análise é má, esta ainda é pior.

O maior bem que uma empresa tem é, criar relações, conhecer pessoas, trocar experiências, criar mútuas dependências, só assim ela anda para a frente e evoluiu.

Então pensas que sabes fazer tudo, e até podes fazer tudo bastante bem feito por experiência própria fica pelas tarefas que te são designadas, pois na dúvida, e quando existe um seres, tudo recai sempre no faz tudo, mesmo este sendo um bombeiro dentro da empresa.

As empresas querem que as pessoas façam um pouco de tudo e um pouco de nada, ou melhor, gostam que as pessoas aparentam fazer muito quando no final não fazem nada…

Eu sou apologista de ter pessoas multifacetadas em uma empresa pois se alguém falta devido a algum problema sempre temos alguém que a pode substituir e a empresa não parar, mas as empresas querem e não querem este tipo de pessoas, pois são vistas e olhadas como alguém que quer tirar o lugar de outro, que se está a meter no trabalho de outro, e quem tem medo que alguém se “meta no trabalho de outro” é porque tem algo a esconder.

Uma organização tem que ter mente aberta e receber estas pessoa que querem é dar o seu contributo a uma empresa e ajudar a mesma a crescer e com isto crescer com a organização, e nos dias que correm ainda mais que nunca precisamos de pessoas destas.

Mas uma coisa vos digo se tiverem dúvidas no que concerne ao que a empresa pensa sobre este tipo de pessoas, falo da gestão de topo e mais ainda dos colegas de trabalho, remetam-se às vossas funções e não tentem apagar fogos dos outros, pois no final vocês que quiseram ajudar, que quiseram não queimar o colega, são quem mais chamuscado sai desta toda história.

NS

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.